Uma perspectiva crítica sobre as TIC num contexto escolar

A expressão sociedade da informação é indissociável dos processos de globalização económica capitalista e do actual papel dos Estados nacionais. Por isso, na generalidade dos discursos e das análises, a expressão é entendida como um desafio, em direcção ao qual é suposto que todos os cidadãos se mobilizem, com vista a alcançar a designada sociedade do conhecimento. Por esta razão, muitos dos teóricos da sociedade da informação invocam as escolas e os sistemas educativos como parte fundamental do processo de mudança ambicionado. Tal como noutras áreas da actividade humana, a introdução das tecnologias da informação e comunicação (TIC) em contexto escolar, tem vindo a ser alvo de reflexão e análise, em relação aos impactes que elas têm e às mudanças que podem provocar no processo de ensino-aprendizagem. Sendo a abordagem da temática educação e sociedade da informação complexa e geradora de controvérsia, incluímos a discussão sobre os sentidos e assunções em torno do uso polissémico, naturalizado e pouco problematizado, de vocábulos e expressões que perpassam em algumas visões e nos discursos. Assim, a aparentemente inócua e neutra solicitação à Educação em torno da sua suposta adesão à sociedade da informação, frequentemente referida nos discursos da União Europeia, foi também discutida, analisada criticamente e confrontada com as práticas dos actores educativos, neste caso através da análise de textos, entrevistas e inquéritos por questionário. Os ritmos actuais de permanente inovação tecnológica parecem não ser compatíveis com os ritmos dos contextos escolares, apesar das pressões que as escolas têm vindo a ser alvo no sentido de se adequarem à sociedade da informação. Os argumentos que têm promovido a implementação das TIC nas escolas previram que estas iriam facilitar os processos de ensino e promover ganhos para todos os alunos. Porém, as práticas dos actores educativos têm vindo a revelar que esta associação não é linear. Assim, a compreensão da generalização do uso das TIC em contextos escolares, como qualquer outra mudança em educação, exige abordagens complexas e integradoras, que permitam, por um lado, ajuizar as orientações nas suas potencialidades e limites e, por outro, alargar o conhecimento crítico desta realidade social.