Texto 023 – Definição de “velhice”

A velhice deve ser compreendida como uma construção social produzida pelos quadros sociais, perpetuamente renegociada e redefinida em função desses quadros. não pode ser reduzida a uma realidade biológica feita de usuras e de incapacidades, que resultam do processo contínuo da desgenerescência. Cada sociedade, em cada período da história, reinterpreta socialmente as diferenças biológicas e cronológicas que separam os indivíduos, a fim de elaborar a organização social do ciclo de vida e de atribuir papéis e estatutos sociais específicos a cada escalão de idade. Os papéis e os estatutos dos velhos foram flutuantes ao longo da história (Minois 1987). A velhice nas sociedades pré-industriais não foi sistematicamente dotada de um estatuto prestigioso em virtude da valorização da sua sabedoria e da sua experiência. Se o advento da sociedade industrial se traduziu, sobretudo, por uma degradação do estatuto social dos velhos, este movimento não envolveu todas as classes sociais desta sociedade com a mesma força. Podemos encontrar uma ilustração disso mesmo no facto de a entrada na velhice, identificável na nossa sociedade pelo acesso ao estatuto de inactivo, não se verificar na mesma idade em todas as classes sociais. A perda da inserção social e a redução do sistema de funções, ou mesmo “a morte social”, intervêm mais cedo para as classes populares que para as classes superiores, sendo estas últimas susceptíveis de pôr a render o conjunto dos seus recursos sociais para prolongar os seus papéis e as suas funções da idade adulta (Guillemard 1971). O limiar da velhice é pois flutuante em função das sociedades, e, no interior de uma mesma sociedade, segundo a classe a que se pertence. É preciso sublinhar que o desenvolvimento dos sistemas de reforma que acompanham o florescimento da sociedade industrial levou a fazer da idade da reforma um dos limiares significativos da entrada na velhice. Nestas sociedades, a velhice ganhou os contornos da reforma. Mas, progressivamente, novos recortes interiores à última etapa da vida emergiram, tais como a terceira e a quarta idades, que traduzem tanto o prolongamento deste período da vida (na França, a esperança de vida aos 60 anos é da ordem dos 20 anos, INSEE, 1985) como a tomada em consideração da velhice como problema social e não já como questão meramente privada e familiar. Nestas condições, a multiplicação das intervenções em favor da velhice levou a distinguir uma velhice dependente que tem a ver com as instituições médico-sociais, de uma velhice autónoma, que tem mais a ver com políticas de animação e de integração social (Guillemard 1980).

Raymond Boudon, “Dicionário de Sociologia”

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.